27/11/2018 às 07h14min - Atualizada em 27/11/2018 às 07h14min

Marconi Perillo muda para São Paulo e arruma novo emprego

O ex-governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB), derrotado nas eleições deste ano na corrida para o Senado, está fora da política. No entanto, Marconi conseguiu um novo emprego na Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), que pertence à família de Benjamin Steinbruch. Perillo já está trabalhando como consultor da companhia há 15 dias.
Em julho deste ano, o ex-governador do Estado criou, ao lado de sua mulher Valéria Perillo, a MV Consultoria, que foi contratada pela CSN para prestar serviços. A contratação de Marconi, segundo as informações divulgadas, foi articulada pelo governador eleito de São Paulo, João Dória (PSDB).
No início do mês, o Diário Central de Goiânia levantou a possibilidade do ex-governador assumir um cargo na empresa. Segundo a publicação do veículo, uma conversa entre um empresário e um politico durante um voo, no final de outubro, trouxe o tema à baila.
Marconi Perillo chegou a ser preso na Operação Cash Delivery
Como a legislação eleitoral não permite a prisão de investigados durante o processo eleitoral, Marconi Perillo, compareceu na quarta-feira (10/10) na sede da PF, em Goiânia para prestar depoimento sobre o seu envolvimento na Operação Cash Delivery, deflagrada uma semana antes das eleições de 2018.
Durante o depoimento, o ex-governador foi preso preventivamente e passou a noite na sede da PF, em Goiânia. Marconi Perillo recebeu o habeas corpus no dia seguinte, e atualmente responde o processo em liberdade.
Operação Cash Delivery
A Operação Cash Delivery foi desencadeada a partir de investigação depois de delação de executivos da Odebrecht, que alcança empresários, agentes públicos e doleiros pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.
Ao todo, foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e cinco de prisão temporária, expedidos pela 11ª Vara da Justiça Federal de Goiás, nas cidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Pirenópolis e Aruanã, Campinas e São Paulo.
Durante a ação, foram apreendidos R$ 940.260 na casa de Márcio Garcia de Moura, policial militar e motorista de Jayme Rincón. Outros R$ 79 mil foram apreendidos na casa de Jayme, além de 2,4 mil euros, 80 libras esterlinas, 101 dólares e 15 pesos argentinos.
 
Fonte: Dia Online
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »