22/02/2019 às 17h52min - Atualizada em 22/02/2019 às 17h52min

Após 2013 e Ronaldinho, discurso de "correr por ele" volta ao Atlético-MG, agora com Cazares

Apesar de Levir cobrar que meia seja mais atuante na defesa, Luan aprova o esforço coletivo em prol do equatoriano: "Ali atrás, a gente se mata pra deixar ele exercer o melhor futebol"

Levir Culpi gosta de números. O treinador do Atlético-MG cobra que zagueiros tenham uma boa média de rebatidas, que volantes tenham muitos desarmes, que atacantes façam muitos gols. E, claro, que meias armadores tenham um bom desempenho na criação de jogadas. E é o que vem apresentando Cazares em 2019. O camisa 10 começou o ano muito bem - não só nas estatísticas.
"Juani" já anotou cinco assistências e dois gols nesta temporada. E não são só números. Cazares dita o ritmo do ataque do Atlético-MG, tem mostrado confiança para arriscar jogadas diferentes, tem acertado ótimos passes, tem tido um bom desempenho na bola parada... "De quebra" ainda fez, no Uruguai, contra o Defensor, um gol de centroavante, aparecendo na área e cabeceando bem, no contrapé do goleiro.
Apesar da fase espetacular do camisa 10, Levir Culpi cobrou, na entrevista coletiva pós Defensor x Atlético-MG, que o meia seja mais atuante na parte defensiva. Disse que a inteligência que Cazares tem propicia a ele que participe mais da marcação.
Não é raro encontrar, porém, times construídos para que o camisa 10 jogue "solto", com poucas responsabilidades defensivas. O próprio Galo tem, na história recente, um exemplo bem sucedido deste tipo de estratégia. Em 2013, o time campeão da Libertadores tinha um esquema defensivo que praticamente "liberava" Ronaldinho, o "cérebro" da equipe, para se preocupar apenas em resolver no ataque.
O time tinha dois volantes muito marcadores, pontas voluntariosos, e uma zaga muito sólida. O discurso de que os companheiros "corriam por Ronaldinho" era frequentemente ouvido. R10 aposentou, o time atleticano é quase todo diferente, mas o discurso voltou a aparecer. Agora em referência a Cazares. E quem tocou no assunto foi Luan, remanescente do time campeão da Libertadores. O "maluquinho" ainda brincou com a ótima fase do companheiro, relacionando à paternidade.
- O Levir chegou e deixou o Cazares à vontade. Ele sabe da responsabilidade que tem. Não é mais criança, tem 26 anos. Virou pai de família, o Anthuan nasceu com saúde. É a cara dele, mas que possa puxar a mãe quando crescer (risos). Estou feliz por ele. Fez um gol importante. Ele está mais perto do gol. Ali atrás, a gente se mata para deixar ele exercer o melhor futebol dele.
De volta a Belo Horizonte após a boa vitória no Uruguai, o Atlético-MG tem, neste domingo, um compromisso pelo Campeonato Mineiro: recebe o Villa Nova, às 17h (de Brasília), no Independência. O jogo de volta contra o Defensor está marcado para a próxima quarta-feira, também no Horto, às 21h30. O Galo pode até perder por um gol de diferença para se garantir no Grupo E da Libertadores.
 
Fonte: Globo Esporte
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »