23/08/2021 às 10h45min - Atualizada em 23/08/2021 às 10h45min

Em Audiência Pública, Costa Rica discute implantação da Escola Cívico-Militar

A implantação da Escola Cívico-Militar em Costa Rica, foi o tema do 33º Simpósio e Audiência Pública realizado na noite da última sexta-feira (20), no Plenário Ver. Simino Jorge de Oliveira. O evento foi realizado pelo Município de Costa Rica, em parceria com a Câmara de Vereadores e a Abemil (Associação Brasileira de Educação Cívico-Militar) e transmitido ao vivo pelo Facebook.
 
Na oportunidade o prefeito, Cleverson Alves dos Santos, o presidente da Câmara de Vereadores, Averaldo Barbosa, a secretária municipal de Educação Maria Barbosa, o presidente da Abemil, Capitão Davi Sousa, o diretor das regionais da Abemil, Francis Júnior Carreiro e do coordenador estadual da Abemil no Mato Grosso do Sul, suboficial Maurício do Santos, falaram sobre as expectativas, objetivos e importância da Escola Cívico-Militar para os estudantes de Costa Rica.
 
Nas rodadas de palestras, os representantes da Abemil apresentaram à sociedade o projeto de implantação de uma escola cívico-militar. Foram detalhadas, dentre outras questões, a logística e a pedagogia da instituição, que tem por objetivo ofertar conhecimento e incentivar uma proposta de educação a partir de pilares como cidadania, valores, ordem e disciplina.
 
Para o prefeito, a Escola Cívico-Militar vai agregar muito na Educação através de valores militares. “Nós não vamos transformar alunos em militares, apenas agregar valores cívico-militares na escola, entre eles a hierarquia e a disciplina, dois ingredientes importantes em qualquer sociedade. Nosso quadro de professores será mantido, passando a trabalhar com muito mais tranquilidade, em um ambiente que priorize o respeito e a importância do docente”, reforçou o gestor.
  
O presidente da Abemil explicou que os militares atuam no apoio à gestão escolar e educacional, enquanto professores e demais profissionais da educação são responsáveis pelo trabalho didático-pedagógico e conversou sobre os benefícios desse modelo, que tem como objetivo contribuir para a melhoria da Educação Básica.
 
“Conseguimos apresentar para a sociedade, para os poderes executivo e legislativo e para toda comunidade escolar a importância da Escola Cívico-Militar, principalmente no resgate da cidadania, do civismo e de diversos valores”, explicou Capitão Davi.
 
Após a realização da audiência pública, é elaborado um projeto de lei que será apreciado pelo Poder Legislativo (vereadores) e submetido à votação dos parlamentares. Uma vez aprovado na Câmara Municipal, o projeto é sancionado pelo chefe do Poder Executivo (prefeito) e passa a se tornar lei. Após a sanção, é estabelecido um termo de cooperação e a escola é criada. Depois desse processo, a instituição elabora o seu regimento interno para decidir questões importantes como a definição do público-alvo e a seleção de professores e outros funcionários.
 
Também participaram do evento o vice-prefeito, Roni Cota; os vereadores Evaldo Paulino, Everaldo dos Santos, Manuelina Martins, Ailton Amorim, Juvenaldo dos Santos e Adair Thiago; o secretário municipal de Governo, Airton Ruiz; a secretária de Assistência Social, Evair Gomes; a secretária de Agricultura e Desenvolvimento, Suelen Furquim; o secretário municipal de Obras Públicas, Penides Garcia; a subsecretária de Educação, Angélica Moraes; a coordenadora do Conselho Tutelar, Rosilda da Silva Almeida e Nathielly Costa representando a defensora pública, Katherine Alzira Avellan Neves.  

Fonte: Prefeitura Municipal de Costa Rica

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »