30/04/2021 às 16h27min - Atualizada em 30/04/2021 às 16h27min

Cigarrinha do milho é mais um desafio aos produtores e técnicos

Armadilhas são montadas para monitorar e entender melhor o comportamento da praga. Foto: Fundação Chapadão

A cultura do milho tornou-se importante a partir da elevação do seu preço de mercado. Isso levou os produtores Brasileiros intensificaram o cultivo desta importante commodit.

Na região Centro-Oeste, principalmente, já é comum os produtores conseguirem duas safras ao ano, de verão e de inverno.  Essa prática do cultivo sucessivo ou monocultura, eleva o índice de pragas e doenças, como ocorre em qualquer cultura.

A incidência de cigarrinha sempre existiu, sem danos expressivos, porém com o incremento do plantio de milho, sucessivo e escalonado, essa praga tem se tornado importante e causadora de prejuízos econômicos os produtores.

A gravidade atual da praga, motivou a criação do Comitê Técnico e Estratégico do Milho, por iniciativa da Fundação Chapadão, em função, a princípio, da grande incidência da cigarrinha na região dos Chapadões.

Segundo a Doutora Suélen Moreira, Entomologista da Fundação Chapadão, que está debruçada sobre o assunto, a cigarrinha do milho, (D. maidis), é um pequeno inseto que se alimenta e se reproduz preferencialmente das plantas jovens.

Esse inseto é um importante vetor de doenças, chamadas enfezamentos, e em elevadas populações podem secretar uma substância açucarada, que favorece o desenvolvimento de fungos na superfície das folhas, impedindo o processo fotossintético e com isso, a debilitação da cultura.

Estudos realizados na Fundação Chapadão buscam alternativas de monitoramento e manejo, através da pulverização de inseticidas químicos, associados com biológicos, bem como estudos de comportamento da praga, nos diferentes horários do dia, buscando eficiência na tecnologia de aplicação.

Oportunamente após a conclusão dos estudos e experimentos, a Fundação Chapadão apresentará os resultados dos trabalhos com a cigarrinha aos produtores Rurais.

Veja abaixo reportagem.

Fonte:   Assessoria de imprensa Fundação Chapadão

67-3562-2032 (Drª Suélen Moreira – Entomologista)

ou e-mail: suelenmoreira@fundacaochapadao.com.br.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »