15/02/2019 às 16h16min - Atualizada em 15/02/2019 às 16h16min

Mancini diz assumir São Paulo para viabilizar acerto de Cuca, espera evolução e elogia Pato

Técnico interino diz que terá autonomia para escalar o Tricolor

Vagner Mancini deu a primeira entrevista coletiva no São Paulo após assumir o time interinamente, enquanto Cuca termina seu tratamento cardiológico. O médico do novo treinador vetou a volta imediata ao trabalho.
Antigo coordenador técnico, Mancini será o responsável por comandar a equipe durante o Paulistão. Ele atendeu a um pedido do próprio Cuca e do São Paulo, e por isso de forma extraordinária topou a condição para viabilizar a contratação do novo comandante.
– Não houve mudança de ideia. Eu realmente afirmei que em hipótese alguma assumiria o São Paulo. O fato de termos tido uma reunião, e entendido que eu não poderia de maneira alguma dizer "não" à minha diretoria e pela viabilidade da vinda de um técnico que enxergamos como ideal no momento. Então, para viabilizar a vinda do Cuca... Já conversamos inclusive. Eu me sinto muito à vontade, interinamente, como coordenador do São Paulo que sou. Estou fechado para o mercado, que isso fique claro. Estou assumindo para viabilizar a vinda do novo treinador – disse o técnico.
Mancini diz que vai treinar e escalar o São Paulo com total autonomia, mas que consultará Cuca.
– Estamos mantendo contato com o Cuca. Ontem (quinta-feira) à noite mesmo tivemos uma conversa longa. À frente do time vou ter a chance de escalar, mexer e dar sequência pela minha cabeça, mas óbvio que quero escutar o Cuca para que ele faça parte do processo. O Cuca faz parte do nosso dia a dia e as conversas vão acontecer com frequência – afirmou.
Questionado se no domingo a escalação do São Paulo no clássico contra o Corinthians terá o dedo de Cuca, Mancini cravou:
– Do Mancini sim, do Cuca não. Só a partir do momento que ele chegar. Temos coisas em comum, enxergamos o futebol de maneira semelhante. Ninguém copia ninguém. A essência de cada um tem que ser a parte principal de cada pessoa. A partir do momento que o Cuca tiver aqui ele com certeza vai alterar alguma coisa. Isso não quer dizer que nós não vamos nos escutar. Dirigir de longe é uma coisa difícil. Eu gostaria muito que ele estivesse aqui, mas acredito que isso não seja possível.
Na visão de Mancini, o São Paulo precisa jogar um futebol melhor e ser protagonista.
– Com o elenco que nós temos, temos de melhorar. O São Paulo tem que ser o protagonista do jogo, tem que gostar da bola. Temos luta, mas muita luta não ganha jogo, temos que ter a parte técnica envolvida no processo – afirmou.
Questionado sobre a possível contratação de Alexandre Pato, em processo de saída de seu clube na China, Mancini elogiou o jogador, mas despistou a respeito da negociação:
– Indiscutível. O Pato é um jogador de alto nível. É indiscutível. Falar mais alguma coisa sobre isso eu estaria entrando em uma parte que não é minha – disse.
O primeiro desafio de Mancini será o clássico com o Corinthians, domingo, às 19h, na Arena Corinthians, onde o Tricolor nunca venceu.
– Eu estava pensando o que seria ideal. Estrear em um jogo mais fácil em casa ou em um clássico. Infelizmente não temos como escolher, temos que enfrentar a situação. Acho importante, quando você olha para frente, saber a dificuldade que vai enfrentar, mas ter a coragem para enfrentar. Assim como todos nós estamos assumindo riscos, o time tem que ser corajoso e ir enfrentar o Corinthians na Arena, onde nunca venceu – disse.
Mancini garante que ainda não sabe qual será a equipe para o clássico contra do fim de semana.
– Não tive a oportunidade de ter todo o elenco que jogou com Talleres para esboçar o que vai acontecer no jogo. Hoje ainda não tenho esse desenho. Está na cabeça, mas preciso ver no campo e sentir segurança. Entendemos o momento. Temos que melhorar em muitos aspectos. É notório e precisamos ter a segurança do treinamento – afirmou o treinador.
Para o clássico de domingo, Mancini terá a volta de Hudson (estava suspenso). Liziero continua no Reffis (ele sofreu uma entorse no tornozelo direito).
 
Veja outros trechos da entrevista de Vagner Mancini:
Saída de Jardine

– Sobre o Jardine, obviamente que ele não chegou a toa no comando do São Paulo. Tem uma passagem vitoriosa no clube, tanto que o São Paulo entendeu que manutenção dele seria importante. Cuca tem uma identidade com o clube, uma passagem vitoriosa. Entendemos que o São Paulo, nesse momento, precisa de um técnico que tem uma forma ofensiva e corajosa de jogar. Isso faz também do Cuca o cara que a gente enxerga dentro desse perfil.
 
Jogadores que conhece do elenco

– O Nenê é um caso diferente no elenco do São Paulo. Eu joguei com ele no Paulista de Jundiaí, eu com uma idade já avançada. Tenho uma amizade de longa data com ele. O Reinaldo, Everton e Willian Farias foram meus atletas. O que que isso me ajuda? Ajuda porque esses atletas já sabem minha metodologia de treinamento e o que penso sobre futebol. Quando você tem alguns interlocutores no elenco isso se torna mais fácil. Talvez o fato de eu vir como coordenador do clube, já ter contato com eles, também favoreça. Mas o mais importante é que todos comprem a ideia. Temos que fazer mais. Cada integrante do São Paulo tem que chegar aqui um pouquinho mais motivado, superando os obstáculos diários.
 
Mancini fala sobre já ter ganho na Arena Corinthians

– Eu acho importante quando o atleta olha e vê alguém acostumado a isso. Muitas vezes, dentro do jogo, quando aperta, o cara olha para o jogador. Ele tem que ver um cara forte, que tenha postura, um cara que sabe que vai vir uma ideia diferente. Ele pode ir lá e não só ganhar pelo jogo dele, mas também por outras questões. Eu acho importante quando você tem um bom retrospecto, mas sei que isso não conta muito. Assim como já venci, empatei e perdi. O mais importante para nós, além da vitória, é readquirir a confiança.
 
Mancini fala sobre sua relação com Cuca

– O momento nos aproximou mais. Joguei muito contra o Cuca na época de atleta. Depois que viramos técnicos nós nos enfrentamos várias vezes. A amizade perdura ao longo dos anos. Ultimamente temos nos falado mais, e agora mais ainda. Fiquei muito feliz pelo pedido do Cuca. Ele mostrou muita confiança no meu trabalho. É um início de muita esperança, para que a gente possa reverter o quadro. Sabemos que não é bom.
 
Mancini fala sobre Pato e outros reforços

– Contratação de jogadores é com a direção. Eu vejo um elenco muito bom, montado. Nós temos essa diversidade de atletas e potenciais. De repente surge alguém no mercado que é interessante, logicamente todo técnico quer. Nenhum técnico está satisfeito com o que quer, porque também tem perda de jogadores. Por isso o cara está sempre pensando lá na frente. Com o elenco que nós temos, temos que melhorar. O São Paulo tem que ser o protagonista do jogo, tem que gostar da bola. Temos luta, mas muita luta não ganha jogo, temos que ter a parte técnica envolvida no processo.
 
Mancini fala sobre dois cenários com ele no comando do São Paulo

– Imaginei a primeira (Mancini ganha tudo enquanto interino), e gostaria que o Cuca chegasse antes, o mais rápido possível. Além de estarmos falando de um ser humano que vem passando por um momento diferente na vida dele... Teríamos o Cuca. A segunda (time não melhora com Mancini) eu não vi, pois tenho certeza que o São Paulo vai melhorar. Se vamos atingir o 100% em tudo, é difícil dizer, mas o São Paulo vai melhorar"
 
 
Fonte: Globo Esporte
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »