29/07/2020 às 11h05min - Atualizada em 29/07/2020 às 11h05min

Projeto do Hospital Materno Infantil entrega cartas a famílias que perderam bebês para ajudar no processo de luto, em Goiânia

Escrita em primeira pessoa, cartinha tem os dados de identificação, o carimbo dos pés e a pulseira de internação do recém-nascido. Psicóloga explica que iniciativa 'formaliza a despedida'.

Com o objetivo de acolher e auxiliar famílias que perderam recém-nascidos, o Hospital Materno Infantil (HMI), em Goiânia, deu início, neste mês, ao projeto "Carta aos Pais". A cartinha, escrita em primeira pessoa, leva os dados do bebê, o carimbo dos pés e a pulseira de identificação da internação. Segundo a coordenadora do projeto, Juliana Coimbra, a carta é uma maneira de formalizar a despedida.

 

"É uma carta elaborada de maneira humanizada. A comunicação é escrita em primeira pessoa, como se fosse o próprio bebê falando com os pais. Contém os principais dados da criança, e é entregue a eles no fechamento do atendimento psicológico", explica.

 

Juliana faz parte do setor de psicologia da unidade, responsável por oferecer esse apoio as famílias. Ela explica que a ferramenta busca proporcionar um maior acolhimento aos pais que se encontram em uma situação traumática, funcionando como um mecanismo psicológico durante o luto.

"Por oferecer atendimento a pacientes com gestação de alto risco e também a bebês em estado grave de saúde, por mais que as equipes se empenhem em estabilizar e restaurar a saúde deles, há situações em que ocorre o óbito. Essa ferramenta formaliza a despedida", explica.

O projeto foi implantado há poucos dias, mas Juliana já vinha escrevendo as cartinhas à mão há algum tempo. A carta, feita após o óbito do bebê, em um documento formalizado pelo setor de psicologia da unidade, é entregue aos pais que estão em condições emocionais de receber a homenagem.

"A morte de um filho antes do nascimento, logo após ou com pouco tempo de nascido, rompe com a ordem natural da vida. A família se prepara, cria expectativas, faz planos em relação a criança que está por vir ou que chegou, e de repente, vê seus sonhos interrompidos. Isso é muito doloroso", afirma.

 

Emoção

 

Juliana relembra de uma das mães que recebeu a homenagem. Ela perdeu o bebê na última quinta-feira (23), com apenas 13 dias de vida. Segundo a psicóloga, a mãe ficou impactada ao receber a carta.

 

"A mãe se emocionou muito e agradeceu pelo atendimento e acolhimento que recebeu no hospital. Em momentos como esse, eu tento humanizar ao máximo, para que a pessoa possa se apoiar emocionalmente", conclui a psicóloga.

Fonte: G1Goiás

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »