12/02/2019 às 13h35min - Atualizada em 12/02/2019 às 13h35min

TJ-GO nega pedido de liberdade para João de Deus por posse ilegal de armas

Mesmo se a solicitação da defesa fosse acatada, médium continuaria detido devido a outro mandado de prisão por abusos sexuais. Ele está preso há quase dois meses e nega crimes.

O Tribunal de Justiça de Goiás negou, nesta terça-feira (12), o pedido de habeas corpus para João de Deus pelo crime de posse ilegal de armas encontradas na casa dele, em Abadiânia. Mesmo se a solicitação fosse acatada, o médium continuaria detido por outro mandado de prisão referente a denúncias de abuso sexual. Preso há quase dois meses, ele é réu em três processos por crimes sexuais e um por posse ilegal de arma de fogo.
João de Deus está detido no Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital, desde 16 de dezembro.
Em 27 de dezembro, o juiz Wilson Safatle Faiad concedeu a prisão domiciliar para o médium pelo crime de posse ilegal de arma de fogo. Na ocasião, o magistrado determinou que o benefício seria concedido mediante pagamento de fiança no valor de R$ 1 milhão, uso de monitoramento eletrônico e se, por outro motivo, não estiver preso.
 

 
O ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou o pedido de liminar da defesa de João de Deus para que ele seja transferido a prisão domiciliar. A decisão foi dada nesta sexta-feira (8). O médium responde a denúncias de abuso sexual de mulheres que o procuraram para tratamento espiritual. Ele está preso desde 16 de dezembro de 2018 e sempre negou os crimes.
Processos contra João de Deus
Ações na Justiça: João de Deus já virou réu três vezes por violação sexual e estupro de vulnerável. A mulher dele, Ana Keyla Teixeira, também foi denunciada no crime envolvendo os armamentos, e o filho, Sandro Teixeira, por intimidação das testemunhas;
Apuração no MP: O órgão segue colhendo e analisando novas denúncias de mulheres que se dizem vítimas do médium.

Fonte: G1 Globo
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »