28/11/2019 às 14h10min - Atualizada em 28/11/2019 às 14h10min

Polícia apreende mais de 100 mil peças de veículos falsificadas avaliadas em R$ 5 milhões, em Itapuranga

Investigações apontaram que grupo atuava há cerca de um ano trocando as embalagens de itens chineses por de marcas famosas. Itens eram revendidos em vários estados brasileiros.

A Polícia Civil apreendeu mais de 100 mil peças de veículos falsificadas em uma fábrica em Itapuranga, no noroeste de Goiás. A mercadoria irregular está avaliada em R$ 5 milhões e era revendida em vários estados do Brasil.
Segundo o diretor da Associação Brasileira de Combate à Falsificação, Rodolpho Ramazzini, essa foi a maior apreensão de produtos falsificados desse tipo em todo país, em 2019. A entidade foi a responsável por informar a Polícia Civil de Goiás sobre o esquema, após receber uma denúncia.
As equipes realizaram a apreensão à última quarta-feira (27). Segundo o delegado Frederico Maciel, as investigações duraram dois meses e a suspeita é que os criminosos atuavam há cerca de um ano.
“As peças vinham da China. Essa empresa trocava as embalagens originais por outras de marcas famosas, gravavam o nome na peça e revendiam. Agora, vamos investigar se as pessoas que compravam sabiam que o produto era falso”, disse o delegado. As peças foram encontradas em um galpão onde funcionava uma empresa que produzia câmaras de ar. A Polícia Civil acredita que essa era só uma fachada para esconder as falsificações. Ninguém foi preso no momento da operação.
“Quando chegamos, havia mais de 20 funcionários trabalhando e todos eles vão ser investigados. O nosso foco era o dono, mas a empresa está no nome de outra pessoa e ele não foi encontrado lá”, explicou o delegado.
Os investigados podem responder por vender material impróprio para o consumo e por reproduzir produtos sem autorização da marca.

Produtos de 'baixíssima' qualidade

Rodolpho Ramazzini também explicou o perigo que usar essas peças representa ao consumidor. “Durante as investigações, compramos algumas peças e enviamos para as indústrias fazerem testes e ficou comprovado que são peças de baixíssima categoria. E a falsificação desse tipo de produto é muito perigosa ao consumidor, porque pode causar acidentes”, disse.
Ele explicou que, em muitos casos, a falsificação era grosseira, mas como os consumidores finais muitas vezes não viam as peças e embalagens, não tinham como desconfiar.
“Esse tipo de produto custa 30% do valor de um original para ser fabricado. Mas o consumidor paga o preço do original. Só a falsificação de peças automotivas gera um prejuízo de R$ 8 bilhões por ano ao país”, completou.
 
Fonte: G1Goiás
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »