28/11/2019 às 13h57min - Atualizada em 28/11/2019 às 13h57min

Casal homossexual denuncia que foi agredido e xingado após abraço dentro de boate em Goiânia

Um suspeito foi preso, mas pagou fiança e responde ao crime em liberdade. Vítima diz que levou chutes e socos.

Um casal homossexual denunciou à Polícia Civil que foi agredido e xingado dentro de uma boate em Goiânia. Um suspeito foi preso em flagrante. Uma das vítimas disse ao G1 que o autor ainda fez postagens em redes sociais menosprezando a situação. O jovem conta que ainda sente dores após ser atingido na cabeça.
“Eu estava abraçado com meu companheiro. Ele chegou dando socos na cabeça, bicuda, nos chamando de ‘viados’”, disse o chef de cozinha de 25 anos.
O caso aconteceu na madrugada de segunda-feira (25). O jovem estava com amigos na boate e conheceu o suspeito, que estava na mesma área da festa. A vítima conta que os dois se abraçaram conversaram, mas, depois, ele foi ficar com outro grupo de amigos.
“Eu estava dançando com uma amiga e depois conheci esse companheiro com quem eu estava. Quando a gente estava abraçado, começou a agressão. Eu fui para o banheiro e fiquei meio desacordado”, disse.
O jovem fez exames após a agressão para verificar possíveis lesões.
"Os ferimentos foram internos, tive um hematoma do lado esquerdo da cabeça. Eu estou com muita dor de cabeça até hoje, não consigo abrir muito a boca", contou.
Após a agressão, o casal foi até a polícia denunciar o crime. O suspeito foi preso em flagrante e autuado por lesão corporal, injúria e vias de fato. Porém, foi solto após pagar fiança.
G1 tentou contato com o investigado por meio de rede social, mas não teve retorno até a última atualização dessa reportagem.
O chef de cozinha diz que o suspeito tem feito piadas sobre a situação. “Ele fez postagens irônicas nas redes sociais, tirou foto na delegacia, fez um vídeo ao vivo com amigos na qual eles brincam que ele é presidiário, ele comemorando a liberdade. Não sei nem o que falar sobre isso”, disse.
Os advogados Petterson de Oliveira Arraes e Lucas Marcelo de Oliveira, que representam a vítima, disseram em um comunicado que “são absurdos e repugnantes os atos do agressor. Mesmo depois de agredir e ofender nosso cliente, fez várias postagens em redes sociais demonstrando descaso com o que fez. No Brasil, não se admite mais atitudes de homofobia, principalmente quando se tratam de agressões físicas graves como a que o nosso cliente sofreu”.
Os defensores afirmam ainda que já estão sendo tomadas as medidas cabíveis para que o agressor seja punido.
Fonte: G1Goiás
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »