19/11/2019 às 14h54min - Atualizada em 19/11/2019 às 14h54min

Vídeo mostra quando atendente de motel é baleada por policial militar, em Goiânia

O policial passou por audiência de custódia e seguirá preso. Advogado do soldado disse que cliente agiu em legítima defesa e não tinha intenção de acertar as vítimas.

Imagens do circuito interno de segurança de um motel em Goiânia mostram quando disparos feitos do lado de fora atingem atendentes do local (assista acima). Segundo investigação da Polícia Civil, os tiros foram dados pelo soldado Danilo Morais Marçal de Araújo, de 31 anos, que foi preso, passou por audiência de custódia nesta terça-feira (19) e teve a prisão convertida de flagrante para preventiva.
A sessão foi presidida pelo juiz Jesseir Coelho de Alcantara. Ele entendeu que a prisão ocorreu de maneira legal, sem excessos, e que deveria ser mantida.
“Tenho entendimento que aquele que tem que gerir a segurança da sociedade, mesmo no período de folga, não pode sair por aí dando tiros usando, inclusive, arma da corporação. Ele tem antecedentes criminais por lesão corporal, ameaça e tudo isso somado me levou a converter o flagrante em preventiva”, explicou.
Advogado que representa o PM, Luhan Oliveira Rocha disse que o cliente agiu em legítima defesa. “Diante daquela situação, seria impossível o policial prever se o dono atirou no chão, para cima. Ele só quis se defender”, disse.
O defensor também afirmou que seu cliente não tinha a intenção de machucar ninguém ao atirar contra a cabine.
“Quando o Danilo dá o tiro, ele não dá na intenção de pegar uma pessoa. Se havia ali duas mulheres ou não é irrelevante. A questão é que havia uma taxa adicional cobrada de maneira indevida, houve um disparo de arma de fogo na direção dele e ele repeliu a injusta agressão”, completou.
A PM também divulgou uma nota, ainda na segunda-feira, informando que abriu procedimento para apurar o caso e que "não compactua com qualquer desvio de conduta de seus integrantes" (veja a íntegra ao final do texto).
A gravação do circuito de segurança do motel mostra que o dono do estabelecimento entra armado na cabine onde estão as duas atendentes e se encosta à parede ao lado da porta.
Discretamente, ele dá um tiro para baixo e, em seguida, aparecem dois clarões, que seriam os disparos feitos pelo PM. Por causa desses tiros, as mulheres que estavam no local correm para o outro lado após uma delas ser baleada.

Dia do crime

O caso foi registrado na Central de Flagrantes. De acordo com a delegada Caroline Paim, responsável pela investigação, o policial militar, que estava de folga, se recusou a pagar a conta alegando que havia ficado pouco tempo na suíte.
"O PM entrou no motel com duas pessoas. A atendente deu a chave de um dos quartos. Na hora que ele saiu, 20 minutos depois, ele disse que não pagaria a conta de R$ 30 porque não tinha ficado no quarto muito tempo", afirmou.
A funcionária o questionou e disse que ele precisava pagar senão ela teria de assumir o valor. Neste momento, conforme a delegada, o soldado ficou nervoso e começou a xingar a mulher.

Tiros

Caroline relata que uma das pessoas que estava com o policial desceu e afirmou que o PM estava armado. A funcionária, então, chamou o dono do motel, que dormia em uma suíte.
"O dono tentou conversar com ele, de imediato diminuiu a conta para R$ 15 para poder evitar confusão. Ele pagou, mas não foi embora. Continuou xingando a funcionária, bastante nervoso. O dono do motel efetuou um disparo de arma de fogo para o chão, segundo ele para intimidá-lo e fazê-lo ir embora", pontua.
A delegada disse que após o disparo o policial afastou um pouco o carro e também atirou, atingido a recepcionista. Em seguida, ele fugiu.
A PM foi acionada e com base nas imagens de câmeras de segurança obteve a placa do veículo. O soldado foi localizado em sua casa, no Setor Urias Magalhães, e preso em flagrante por tentativa de homicídio. Com ele, foram apreendidos uma pistola .40, três carregadores e 43 munições intactas.
No momento da prisão, narra o boletim de ocorrência, ele alegou que atirou porque "alguém de dentro do estabelecimento teria efetuado um disparo antes". No entanto, no depoimento formal, preferiu manter-se em silêncio.

Nota da PM:

A Assessoria de Comunicação Social da Polícia Militar do Estado de Goiás informa que Danilo Morais Marçal Araújo foi conduzido por policiais militares a Central Geral de Flagrantes, momento em que foi autuado em flagrante delito, por ter praticado, em tese, o crime de tentativa de homicídio na manhã de hoje (18/11). Ao tomar conhecimento do fato, a Corregedoria da Polícia Militar instaurou procedimento para apurar os fatos. A Instituição reitera seu compromisso com a verdade dos fatos e não compactua com qualquer desvio de conduta de seus integrantes.
 
 Fonte: G1Goiás
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »