23/07/2019 às 14h53min - Atualizada em 23/07/2019 às 14h53min

Casal que adotou cinco irmãos pede guarda da sexta criança, em Cidade Ocidental

Gestora social diz que menina estava morando com o pai biológico, mas ficava triste por estar longe dos outros irmãos.

A expressão “coração de mais sempre cabe mais um” se aplica ao casal Veranilda de Oliveira Guimarães e Adalberto Franco Guimarães. Eles adotaram cinco irmãos para evitar que eles fossem separados e, agora, pedem a guarda da sexta criança, em Cidade Ocidental, no Entorno do Distrito Federal.
Veranilda conheceu Maria Vitória, Pedro Henrique, Miguel, Gabriel e Vitor no Orfanato Rebecca Jenkins, onde trabalhava como gestora social. Eles, que têm entre 5 e 15 anos, foram afastados da mãe biológica pelo Conselho Tutelar devido a maus-tratos e abandono. Porém, eles tinham uma sexta irmã, Ana Júlia, de 11 anos.
“Os cinco foram para o orfanato, mas nós localizamos o pai da Ana Julia e ela foi morar com ele. Eu e meu marido adotamos os cinco e nos mudamos para São Paulo. No início de julho, nós voltamos a Cidade Ocidental para visitar o juiz e para que as crianças visitassem a irmã. Só que ela estava triste longe dos irmãos. Em um gesto muito nobre, o pai disse que, se eu quisesse, poderia adotá-la para ela ficar junto dos irmãos”, disse Veranilda.
Com isso, a gestora social procurou a Justiça para formalizar a situação. Ela disse que o pai biológico da menina já começou o processo para abrir mão da guarda da menina para que ela possa ser legalmente adotada por Veranilda. Ela deve se encontrar com o juiz esta semana para homologar a mudança.
Ana Júlia passou alguns dias na casa do casal junto com os irmãos para matar a saudade e para que a criança também tenha certeza que quer se mudar.

Sinais

Porém, desde que os cinco irmãos foram adotados, a vida começou a dar sinais para Veranilda de que o destino ainda lhe guardava essa surpresa. Para receber os filhos, foi necessária uma mudança em toda estrutura da casa e na vida do casal.
“Eu e meu marido tínhamos só uma mesa pequena. Ele, então, fez uma grande, de madeira, mas tinha oito lugares. Quando eles vieram morar com a gente, trocamos de carro e compramos uma van que tem oito lugares. Então, sempre ficava faltando uma pessoa. Agora, com a vinda da Ana Júlia, vai estar tudo completo”, disse Veranilda.
Ela contou ainda que o processo não é fácil, mas que ver a evolução das crianças é muito gratificante. Com a chegada da sexta irmã, todos estão empolgados e ansiosos.

Primeira adoção

Em julho de 2018, Veranilda adotou os cinco irmãos que moravam no Orfanato Rebecca Jenkins, em Cidade Ocidental. A gestora social trabalhava no local quando eles chegaram.
“Tinham essas cinco crianças que a família pegava e devolvia. Sempre que eu os via eles corriam para me abraçar. Maria Vitória toda vez pedia pra não deixar separar dos irmãos. Fui sendo ministrada com essas palavras”, recordou.
Em outubro de 2017, a gestora conta que foi chamada pelo juiz para participar da audiência que separaria os irmãos para que, então, fossem encaminhados para diferentes famílias.
“Conversei com meu esposo e ele falou que não achava justo irmãos se separarem. Nós [também] somos pastores, pregamos sobre amor, acreditamos na família e vimos uma oportunidade de praticar, de decidir”.
O casal teve o apoio dos filhos biológicos, hoje com 30 e 29 anos, e a gratidão sincera dos mais novos cinco membros da família.
Fonte: G1Goiás
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »