07/06/2019 às 14h35min - Atualizada em 07/06/2019 às 14h35min

Bolsonaro fala em 1º passo para um sonho de moeda única; Guedes diz que são os argentinos que querem

Banco Central divulgou uma nota em que afirma que não há projetos ou estudos para integrar o real e o peso.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta sexta (7) que foi dado o primeiro passo para uma moeda única para o Brasil e a Argentina, que se chamaria peso real.
“Paulo Guedes nada mais fez do que dar um primeiro passo para um sonho de uma moeda única na região do Mercosul, peso real”.
O presidente deu o exemplo da moeda única da União Europeia: “Como aconteceu o euro lá atrás, pode acontecer o peso real aqui”.
Bolsonaro afirmou que o responsável pela ideia é o ministro da Economia: “Já falei para vocês que meu forte não é economia. Nós acreditamos no ‘feeling’ (intuição), na bagagem, no conhecimento e no patriotismo do Paulo Guedes.”

Ao ser perguntado se uma moeda única com a Argentina não implicaria um preço para o Brasil, o presidente disse que “em todo casamento alguém perde alguma coisa e ganha outras”.

Para Guedes, são os argentinos que querem

A ideia interessa mais aos argentinos, segundo o ministro Paulo Guedes.
“Quem está querendo são eles, os argentinos estão animadíssimos. Nós estamos pensando, conversando e conjecturando. Eles abraçaram, aparentemente, a ideia”, disse ele em Buenos Aires.
Ele ressaltou que é preciso haver uma convergência de políticas. “Mas a Argentina, parece, vai zerar o déficit este ano. O Brasil está com um déficit pior ainda.”

Banco Central diz que não há estudos

O Banco Central havia publicado uma nota em que informa que não há projetos ou estudos sobre o tema, horas antes de o presidente Bolsonaro falar sobre o assunto.
A instituição, que é responsável pela política monetária do Brasil, diz que “há tão somente, como é natural na relação entre parceiros, diálogos sobre estabilidade macroeconômica, bem como debates acerca de redução de riscos e vulnerabilidades e fortalecimento institucional”.

Ministros já discutiram integração em abril, segundo mídia argentina

Relato no jornal argentino “La Nación” diz que uma unificação monetária já foi discutida antes. O diário não informa quem passou as informações –a história é atribuída a pessoas próximas ao ministro da Economia da Argentina, Nicolás Dujovne, sem citar nomes ou cargos.

Dujovne teria participado de um encontro no Rio de Janeiro em que o tema foi discutido no dia 26 de abril.
As negociações, segundo o “La Nación”, começaram ainda antes, em Washington, nos EUA, quando Guedes e Dujovne se encontraram em uma assembleia do Fundo Monetário Internacional.
Segundo o relato do jornal, o servidor público do Ministério da Economia argentino teria justificado a coerência da ideia com características parecidas dos dois países. Brasil e Argentina estariam expostos aos mesmos choques de preços –principalmente de commodities.
Além disso, a existência de duas moedas diferentes seria um entrave ao comércio bilateral.

Fonte:G1

Rafael Moraes (PTB) disse que foi ao plenário assim depois de pedirem cassação do mandato dele.

O vereador Rafael Moraes (PTB), da Câmara de Caldas Novas, no sul de Goiás, chamou atenção nas redes sociais depois de publicar uma foto com a máscara do Homem de Ferro e a bandeira da cidade no plenário. Ele disse que foi assim para a Casa depois de pedido de cassação do mandato dele por quebra de decoro parlamentar.
G1 procurou a assessoria de imprensa da Câmara de Vereadores de Caldas Novas por telefone e e-mail às 8h49. Às 10h41, por meio de nota, disseram que, quanto ao fato do político ter usado a máscara e a bandeira, tudo ocorreu "após o encerramento da sessão ordinária".
Sobre a cassação do mandato dele, o texto diz que a "atitude do vereador Rafael Moraes ataca a honra dos demais vereadores, legítimos detentores de seus mandatos, assim como denigre a imagem da Câmara Municipal" e que "o processo foi arquivado devido à falta de quórum na formação de uma comissão especial de investigação". (Veja nota na íntegra ao fim da reportagem)
“Quando cheguei, na segunda-feira (3), eu sabia que eles tinham os votos [para cassar o meu mandato], então vesti a bandeira de Caldas Novas e o capacete do Homem de Ferro como símbolo de coragem. Que eu iria enfrentá-los como fosse preciso. Quis usar de uma metáfora leve de que eu estava lá para enfrentar”, afirmou.
De acordo com o próprio político, várias pessoas começaram a mandar mensagens de apoio e compartilhando a foto. Ele disse que teve muito apoio popular e acredita que foi essa defesa da população que fez com que o pedido para cassação fosse arquivado dias depois.
“Só não fui cassado porque, ao enfrentar a situação dizendo que não voltaria atrás em minhas denúncias, a população veio me defender. A população compartilhou a imagem e minutos depois já tinha muitos populares aqui na Câmara para protestar contra a tentativa de cassação”, completou.
Conforme o pedido de cassação, o vereador teve “práticas incompatíveis com o exercício do mandato parlamentar e ofensivo à dignidade institucional do Poder Legislativo local”.
O motivo apontado foi que Moraes disse em sessão que colegas teriam recebido suposta “mesada” de uma estatal para não aprovar uma CPI e que, em rede social, disse que "se gritar pega ladrão, aí acaba a sessão".

Nota da Câmara de Vereadores de Caldas Novas

Nota oficial
A Câmara Municipal de Caldas Novas, por meio de seu Presidente vereador Geraldo Pimenta esclarece os fatos quanto a Representação Ética feita ao vereador Rafael Moraes, prevista no artigo 7º do Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal de Caldas Novas. Segundo o qual o vereador teria práticas incompatíveis com o mandato de um parlamentar e ofensivas à dignidade institucional do Poder Legislativo local.
Durante o seu discurso reproduzido em uma das redes sociais do próprio vereador ele proferiu a seguinte frase: “Sessão da Câmara Municipal começou agora, eu descobri que eu só não posso gritar pega ladrão porque aí acaba a sessão e vai todo mundo embora”.
Diante desse fato a representação foi protocolada pelo presidente da Câmara, vereador Geraldo Pimenta, tendo em vista que essa atitude do vereador Rafael Moraes ataca a honra dos demais vereadores, legítimos detentores de seus mandatos, assim como denigre a imagem da Câmara Municipal de Caldas Novas.
Quanto as imagens divulgadas pelo vereador utilizando uma máscara de um personagem conhecido como “homem de ferro” e a utilização da bandeira de Caldas Novas sobre as costas, estes vídeos foram gravados e transmitidos após o encerramento da sessão ordinária.
O processo foi arquivado devido à falta de quórum na formação de uma comissão especial de investigação.
Câmara Municipal de Caldas Novas, 07 de junho de 2019.
Fonte:G1Goiás
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »